8 de janeiro de 2011

Urbanidade e colisões

foto 1 - 18mm






















foto 2 - 40mm


























A conseqüência inevitável e inadvertida do viver urbano é o encontro. Proposital em sua concepção do espaço e oras abrupta em sua práxis (seu acontecimento espaço-temporal). A cidade é (re)feita  de colisões. Colidi hoje com cenas possíveis de serem vistas apenas devido à ação social do homem em agregar pessoas, coisas e idéias múltiplas em um espaço relativamente pequeno. Espaço suficiente para uma composição e de 40mm com tanta informação psicológica e tecnológica, dois aspectos valiosos à observação. O homem vive e interage consigo e com o mundo, seus gestos estão impregnados de informação, o tal mapa corpográfico.

Sobre a foto 1 tirada exatamente do mesmo locus retrata outro aspecto da colisão: o receio.

6 de janeiro de 2011

Flanância interna – corredor


























Faz três dias me preparo pra sair, e quando pego na câmera olho pela janela e lá está ela: chuva leve constante a flutuar sobre a minha cidade. Não sendo uma pessoa que desiste com facilidade optei por observar a quietude de um corredor. Protegida da chuva, não tive pressa. Já um tempo queria fazer uma foto dele, mas hoje não fui para fotografar, fui para observar e vi sua quietude. Senti o enquadramento. A luz fez pose.