11 de março de 2011

Pura fachada


















Coisa estranha é um prédio magro.
Era noite, mas estava tudo muito claro na minha percepção. Aquele prédio na beira da avenida era pura fachada. Quem o visse de frente até poderia acreditar em alguma coisa menos superficial, mas quem o visse de lado saberia. Circulei o objeto observado com certa objeção. Mais um produto da sociedade de absurdos, ela se produz em desdobramentos que a definem como tal.