15 de março de 2011

Paisagem cultivada










Ela disse que o que ela mais gosta em seu apartamento é a tal vista. Fui ver. De fato uma riqueza de informações e formações morfológicas. De lá, vê-se os limites da apropriação urbana, ou seriam os limites da expansão do não-urbano? Aprendi uma coisa: uma paisagem bem cultivada cresce. Depois fiquei pensando sobre essa dicotomia urbano-não-urbano, um parece engolir o outro. O céu parece ser o lugar mais neutro por enquanto, só observando de cima. Será que o céu flana?

*Obrigada Daniela e Paulinho  por compartilharem comigo da sua paisagem.  

13 de março de 2011

Esteticamente irmãos



















Em calçadas diferentes, com fins diferentes com idéias em partes conflituosas. Locadas na mesma rua, na mesma escuridão da mesma noite. Refiro-me às frentes do bar Cachorrão do Rabicó e da Igreja Batista Pentecostal de Viçosa. Ambos os estabelecimentos abrigavam apenas uma pessoa naquele momento, ambos usam as mesmas cadeiras de plástico brancas e são iluminados por dentro com uma lâmpada fluorescente. Conceitualmente antagônicos, mas esteticamente irmãos.