22 de março de 2011

Vitrine viva






































Aquela vitrine bruta foi invadida por uma fragilidade tal. Com muita sutileza e camuflagem, ela pousou ali, ao lado daquele amontoado de borracha. Pelo vidro fui flagrada em minha flanância. Mas não antes que eu flagrasse que algo diante de mim tinha vida. Algo pequenininho quase sem chamar atenção de ninguem me tomou por completo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário