24 de fevereiro de 2011

O sabor do paradoxo

de fora

de dentro
































É sonho de muita gente entrar por essas quatro pilastras. Refiro-me, é claro, a ingressar na Universidade Federal de Viçosa. Ser estudante ali, ser formado por aqueles docentes, poder afirmar “eu faço parte disso”. O problema é que apesar de parecer uma entrada larga, espaçosa, é na verdade um caminho estreito e seletivo. Eu fico impressionada com a quantidade de gente que vem de fora e a quantidade de gente daqui que fica de fora. Assim, as quatros pilastras, esse marco de uma grande entrada torna-se ao mesmo tempo uma amarga ironia. Suas palavras começam a soar cínicas. Só o fato de estar escrito em latim já cheira alguma coisa estranha. Mesmo na época em que eu mesma entrei por esse caminho largo-estreito já tinha degustado esse sabor. O sabor do paradoxo e a nítida sensação de que logo ali a cidade me aguardava. Hoje, Com meu diploma em mãos reflito no fato de que, ao contrário da Universidade Federal Viçosa, a cidade é para todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário